Os preços mais baixos garantidos para o aluguer de automóveis em mais de 6.000 locais em todo o mundo

 

Os preços mais baixos garantidos para o aluguer de automóveis em mais de 6.000 locais em todo o mundo

 

Reserve seu hotel online

 

 

Você está aqui

Chile: um roteiro de 11 dias pelas estações de esqui.

  • Total de visitas: 1438739
  • Unique Visitors: 210669
  • Registered Users: 3418
  • Last Registered User: leonorafalbo86805992
  • Published Nodes: 115
  • Your IP: 54.162.164.86
  • Since: 02/27/2014 - 13:02
La Parva, num dia gelaaaaado

Olá viajantes...depois de três anos voltei ao Chile com muitas saudades. Mas dessa vez, nada de roteiros turísticos ou visitas a locais tradicionais. Tentamos curtir os esportes de neve ao máximo e seguimos a várias estações legais, dessa vez, dormindo na montanha. Dias inesquecíveis que gostaria de compartilhar com vocês. E esse post é apenas o começo, pois voltei com muitas novidades que tenho certeza que ajudarão vocês a montar um roteiro incrível. São 10 dias...intensos e deliciosos. Espero que gostem.

1º. Dia: Chegada pela manhã em Santiago.

O duty free de chegada é bom, com muitas opções.Como o check in geralmente é após as 14h, sigam para o Outlet Buenaventura Premium, que fica em Quilicura (San Ignacio, 500), no caminho do aeroporto. Se for de metrô, siga pela linha 2- amarela até a estação Vespúcio Norte e de lá, siga de táxi. Horário de funcionamento:de 2ª a sábado das 10h às 20h e domingo das 11h às 19h. Ao lado dele tem outros dois outlets. Só tem uma opção de restaurante e poucas lanchonetes.

Seguir para o bairro Providência, curtindo suas lojas (Paris e Falabella) e bares.

Jantar: Aqui esta coco (La Concepción 236, tel. 2/2410-6200), no bairro Providencia.

Comprar comida para levar para a hospedagem na montanha (tudo muito caro por lá). Serão duas noites dormindo por lá.

2. dia: FARELLONES (hostel)

Depois de subir a montanha com muita neve, onde talvez seja preciso colocar correntes nos pneus, seguir direto para o Hostel Chilextreme, em Farellones. Depois, almoçar no El Montanhez e seguir para matar a saudade de esquiar. Opção de ficar em Farellones mesmo para readaptação e depois curtir o Tubbing (boia gigante que desce num tobogã de neve) e o arborismo. Ou, se preferir e já se garantir na neve, subam até a estação El Colorado e já esquiem em alto estilo e no final, descer até Farellones já que as pistas são ligadas.

Jantar no agitadinho El Montanhez, com comida boa e ambiente legal, com um rockzinho sendo tocado ao vivo. Show.

3º dia: El Colorado.

Estação predileta dos jovens e pistas excelentes. O snowboard aqui reina, inclusive tem uma pista, Monster Urban Park, própria para os experts que gostam de fazer manobras. Para não congelar, um cafezinho no Colombiano Pedro de Valdivez (tem no Chile todo). Almoço na parte superior do único restaurante do local, pois serve a la carte. Não deixem de curtir a pista Los Zorros (verde, mas muito legal), que liga esta estação a Farellones.

Se ainda tiver gás, à noite, siga para o Pub Blue Tambo, em Farellones mesmo. Fica num hostel e rola música boa.

Obs.Se forem esquiar mais de um dia na mesma estação, procurem ver o combo na hora de comprar o ticket e não esqueça de levar o cartão do dia anterior, ou terá que pagar por ele mais $5.000 (R$20,00).

4º dia: LA PARVA-SANTIAGO

Seguir para estação com as malas prontas. Aproveitar essa estação mais tranquila, com pistas boas e atendimento VIP. O ticket na temporada alta custa $ 40.000 (o equivalente a mais ou menos R$200,00), um pouco mais barato que Valle Nevado. Os funcionários são super atenciosos e “nos salvam” nas pistas (rsrs).

Indico parar o carro na escolinha de esqui, seguindo para o lado esquerdo da estação e curtir as pistas de lá, pois as outras tem declives.

Depois do almoço, seguir em direção a Santiago.Mas no caminho, curta o Mall Sport, um shoping voltado inteiramente para os amantes do esporte. Incrível o astral desse lugar diferente de todos os malls que já conheci. Perfeito para criança. Ver post.

Jantar: Astrid y Gastón (culinária peruana) (Antonio Bellet 201,  tel. 2/2650-9125). Chiquezinho e caro, tá?

5. dia: SANTIAGO

Seguir para Los Domenicos (ao lado da Igreja Dominicana, Av. Apoquino, 9085), onde encontramos os melhores artesanatos do Chile. Antes de chegar no local, tem uma feira livre com muitas frutas locais. Vale uma passadinha rápida para conhecer. Já o Los Domenicos, deve ser descoberto com calma, pelo menos 2 horas por aqui, se você gostar de artesanato (lápis lazuli, lã, souvenirs, barro, quadros, etc). Tudo muito arrumadinho e com entrada gratuita.

Depois, seguir para a Avenida Alonso de Córdoba, considerada a Oscar Freire de Santiago. Confesso que tem beeeem menos lojas do que imagina diante da comparação em vários blogs até mesmo com a Rodeio Drive, em Vegas (imagine...não chega nem perto). O trecho mais badalado está próximo ao Hotel W (cuja vista da piscina é incrível) - Isidora Goyenechea 3000. Lá, inclusive, estão os três badaladíssimos restrôs: Osaka, o francês NoSo e o chileno Terraza, sem esquecer do bar Red2One, na cobertura, e o nightclub Whiskey Blue.

Fácil demais de chegar de metrô, mas de carro tem estacionamento na Avenida mesmo.

Almoço mais informal e lanches leves: Coquinaria, no térreo deste hotel (apesar de não ter ligação) ou escolha algum dos vários bares e restaurantes espalhados. Depois, para aqueles que já conhecem a cidade, um passeio de bicicleta é muito agradável, aproveitando as estações espalhadas.

Seguir para o Patio Bella Vista e apreciar suas lojinhas (o Box 220 é perfeito) e mais bares e restaurantes. Terminar o dia no Backstage, para mim, sempre uma ótima opção.  

Se preferir, sigam para o Parque Arauco, um shoping que oferece descontos para turistas (pegue o booklet de cupons no serviço de Atención al Cliente) e até traslado gratuito de/para hotéis (vejam site). Além das lojas de grifes internacionais, tem as imperdíveis Falabella e Replay.

6. dia: CHILLAN

* Termas de Chillan: 480 Km de distância de Santiago.

Águas termais, trenós na neve, cassino e snowmobil. A estrada é bem tranquila mas não tem a beleza das que levam ao norte, até Portillo, por exemplo. Muita pobreza é vista no caminho, e muita riqueza dos vinhedos também. Depois de chegar em Chillan, siga para o Valle Las Trancas, local ideal para ficar hospedado de forma mais econômica, já que o hotel de Termas de Chillan tem diária de R$ 1.000,00 por pessoa (com refeições inclusas), bem no caminho de Nevados de Chillan e Termas de Chillan.

Demorei para entender isso e vou explicar direitinho para vocês mais tarde.

Neste dia, curtam o pass Day no hotel de Termas de Chillan (R$150,00 com almoço incluso e direito a curtir o hotel) e depois retornem a Nevados, aluguem snowmobil (moto de neve) para conhecer a região (os passeios são acompanhados). Lugar incrível.

À noite, aproveitem o tempo e aluguem os equipamentos de esqui no Valle Las Trancas (bem mais barato) e terminem a noite no agradável Pub da região: Snow Pub Restorant (com empanadas deliciosas). Não esperem grandes badalações por aqui, mas um povo acolhedor e bem simpático, além de comida muito boa. Bem mais barata do que na estação, claro.

7. dia: Nevados de Chillan-

Esquiar em Nevados de Chillan. Esse É O LUGAR!!! As pistas são mais exclusivas e a neve de excelente qualidade. O local...ah o local...lindooooo!!!

Como sempre, encaro as pistas verdes (iniciante sempre!), e adorei as de lá pois não são aquela chatice de sobe e desce. Tem caminhos no meio do bosque, vista para as águas térmicas...uma delícia. O teleférico leva até uma distância boa e a descida, só alegria. Sem falar da pista 3 Marias, a mais longa da América Latina. É verde mas...deixe para encarar depois de já dominar um pouco mais os esquis, tá? Sofri, curti e sobrevivi (rsrsrs). Se pretender curtir os trenós puxados por cães, agende assim que chegar a estação pois tem horários limitados.

Jantar:O restaurante do vagão do trem tem cara de charmoso e te fama na região. Escolhemos um restaurante num hostel bem bonitinho, com cortinas brancas e sem nome.

8.dia: TERMAS DE CHILLAN-SANTIAGO

Curtir o local pela manhã e depois do almoço, seguir para Santiago. Caso não queiram repetir Nevados de Chillan, sigam para o Complejo Valle Hermoso, antes mesmo de chegar em Nevados de Chillan. Além de piscinas de águas termais, tem algumas poucas pistas de esqui, mais simples, inclusive com atrações radicais como Canopy e Rapel. O ticket é muito mais barato mas a estrutura nem se compara a Nevados de Chillan.

Recomendo mais uma noite por aqui, para aproveitar um pouco mais a estação.

 9. dia: VALLE NEVADO

Esquiar, mais uma vez. Estávamos aqui para isso, né?

Como já falei em outros posts, caso decida ir a uma única estação escolha esta sem dúvidas. Além da estrutura, as pistas são boas e para todos os gostos, mas não para todos os bolsos. E em alta temporada, sempre tem famosinhos por lá.

10.dia: LAGUNILLAS

Localizada a 67 Km de Santiago, esta estação de esqui, situada a 2.200 metros de altitude, permite ao esquiador combinar o esqui com a excursão pela montanha. Foi a furada da minha viagem e depois explico por quê! Mas sempre acho que vale a pena conhecer. Voltar já é outra coisa.

À noite, jantar no Azul Profundo e depois, curtir o Patio Bella Vista.

11. dia. Retorno ao Brasil.

Últimas comprinhas no duty free.

Depois dessa trip, quero voltar mais vezes ao Chile pois além de amar o seu povo, ainda tenho muito que conhecer, inclusive as estações de esqui Corralco (700 Km de Santiago) e Pucon, pois faltou tempo.

Aproveitem o restinho desta temporada de inverno.

Categorias: 
Meus destinos

Comentar

Plain text

  • Nenhuma tag HTML permitida.
  • Endereços de páginas de internet e emails viram links automaticamente.
  • Quebras de linhas e parágrafos são feitos automaticamente.
CAPTCHA
Esta pergunta serve para testar se você é um humano ou não para prevenir envios automáticos.
Image CAPTCHA
Enter the characters shown in the image.